Durante protestos e rebeliões nas ruas é muito comum ver pessoas tirando fotos e filmando os acontecimentos. Diante desse cenário, a Polícia da Flórida iniciou um método de busca de suspeitos através da infiltração de policiais disfarçados no meio da multidão. Esses policiais não usam mais os comuns “pontos” no ouvido e nem microfones escondidos, agora, estão utilizando uma técnica muito menos chamativa para informar a central sobre as pessoas que estão no local, apenas tirando fotos da multidão com smartphones comuns através de um aplicativo próprio. Essas fotos são enviadas para a central e analisadas em tempo real por softwares que verificam a identidade das pessoas que apareceram na foto. Assim a polícia pode verificar rapidamente  as fichas criminais e dados das pessoas envolvidas nos protestos.

O sistema de fiscalização ainda possui 31 câmeras fixas e 63 outras câmeras com capacidade de zoom (20x), inclinação e rotação controlados remotamente. Além desse sistema de reconhecimento facial, existem softwares que utilizam inteligência artificial que são capazes de identificar comportamentos estranhos na multidão. Esses dados das câmeras serão salvos pelas autoridades da Flórida por 4 anos.  A partir dessa iniciativa, o governo americano pretende investir U$7 bilhões em sistemas como esse para serem implantados e utilizados diariamente em outros estados do país.

E você o que pensa sobre isso? Seria invasão de privacidade ou uma medida de segurança necessária? Deixe sua opinião abaixo!

Fonte: ComputedWorld